sexta-feira, 20 de julho de 2018

REPRESENTANTE DA UE NA GUINÉ-BISSAU ACREDITA NAS LEGISLATIVAS A 18 NOVEMBRO


Bissau - O chefe da Delegação da União Europeia na Guiné-Bissau, Victor Madeira dos Santos, afirmou estar confiante que as eleições legislativas de 18 de Novembro vão mesmo ter lugar naquela data e que as condições existem ou serão criadas para que assim seja.

Victor Madeira dos Santos transmitiu a confiança aos jornalistas, na quinta-feira, à saída de uma audiência com o presidente do parlamento guineense, Cipriano Cassamá.

O presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, aproveitou a cimeira de líderes da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), realizada na ilha cabo-verdiana do Sal, para pedir aos homólogos um apoio de três milhões de dólares que ainda faltam para cobrir o orçamento para as eleições de Novembro.

À chegada a Bissau, o líder guineense disse aos jornalistas que os seus homólogos da CPLP prometeram disponibilizar aquele montante.

Confrontado pelos jornalistas com o facto de ainda não terem chegado ao país os apoios financeiros de parceiros internacionais da Guiné-Bissau, nomeadamente da própria União Europeia, Victor Madeira dos Santos disse que a questão do dinheiro não se coloca.

"Eu penso que a questão financeira vai ser resolvida quando for necessário que o dinheiro esteja efectivamente nos cofres do PNUD, ou seja quando houve facturas para honrar, pelo pagamento de serviços ou materiais", afirmou Madeira dos Santos.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) é a entidade que vai gerir um fundo especial em construção para financiar as eleições de 18 de Novembro, orçadas em 7,5 milhões de dólares.

Segundo o primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, de todas as promessas anunciadas pelos parceiros para construção do fundo eleitoral, apenas o Governo de Bissau disponibilizou, até aqui 1,6 milhões de euros e tem mobilizados mais dois milhões de dólares para colocar à disposição se for necessário, observou.

O representante da União Europeia salientou que os parceiros da Guiné-Bissau anunciaram "contribuições importantes", nomeadamente a instituição que representa, Guiné Equatorial, Itália, Japão, Estados Unidos, entre outros, para frisar que não existe "nenhum obstáculo inultrapassável" para que as eleições possam ter lugar na data marcada.

"É evidente que há obstáculos a ultrapassar (…) mas por enquanto, que eu saiba, não há nenhuma factura que não tenha sido paga por falta de dinheiro nos cofres do Estado", afirmou Victor Madeira dos Santos.

O diplomata europeu considerou igualmente existir na Guiné-Bissau "um ambiente completamente favorável" à realização de eleições a 18 de Novembro e que a própria população "está expectável" para que assim seja, observou.

Madeira dos Santos disse notar a mesma vontade dos actores políticos.

Conosaba - angop


Sem comentários:

Publicar um comentário