quinta-feira, 26 de julho de 2018

ONU CONFIANTE NA REALIZAÇÃO DE ELEOÇÕES NA GUINÉ-BISSAU A 18 DE NOVEMBRO

O presidente da configuração para a Guiné-Bissau na comissão das Nações Unidas para a consolidação da paz disse à Lusa que está confiante na realização de eleições legislativas a 18 de novembro.

O presidente da configuração para a Guiné-Bissau na comissão das Nações Unidas para a consolidação da paz (PBC-GB), o brasileiro Mauro Vieira, disse esta quarta-feira à Lusa que está confiante na realização de eleições legislativas a 18 de novembro. O embaixador Mauro Vieira, que termina na quinta-feira uma visita de dois dias à Guiné-Bissau, disse ter ficado com aquela convicção “pelas garantias” recebidas de vários interlocutores do país com quem se encontrou, nomeadamente, partidos políticos, primeiro-ministro, Aristides Gomes, e responsáveis pelo processo eleitoral.

O responsável da ONU, que deve ser recebido quinta-feira pelo Presidente guineense, José Mário Vaz, afirmou que para já as indicações que tem vão no sentido de que as eleições legislativas vão mesmo realizar-se na data prevista. Mauro Vieira sublinha que de todas as conversas reteve o “desejo de todos em unir esforços para concluir o processo preparatório para que a data seja cumprida e as eleições se realizem no dia 18 de novembro”, o que, disse, seria o corolário do processo de diálogo interno que levou a formação do atual Governo inclusivo, liderado por Aristides Gomes.

O diplomata da ONU enaltece o clima que se vive na Guiné-Bissau que levou a que fosse aprovado no parlamento o programa do Governo e o Orçamento do Estado, bem como entendimentos em curso com vista à formulação de um Pacto de Estabilidade, cujos termos estão em negociações entre os partidos, conforme as garantias do primeiro-ministro, observou.

Sobre o défice de cerca de 3 milhões de euros no orçamento para as eleições, segundo as autoridades guineenses, o presidente da configuração para a Guiné-Bissau na comissão das Nações Unidas para a consolidação da paz afirmou ter recebido garantias de todos os interlocutores com que já se encontrou no sentido de que o Governo vai cobrir o que falta através de “outras fontes alternativa".

Conosaba/Lusa

Sem comentários:

Publicar um comentário