terça-feira, 17 de julho de 2018

"DISCURSOS DE ÓDIO TENDEM A SER REPRODUZIDOS NA GUINÉ-BISSAU", DIZ PADRE GUINEENSE

O ódio faz parte do discurso político e "tende a ser reproduzido na Guiné-Bissau de forma geracional", disse hoje o padre guineense Domingos Fonseca, presente numa conferência em Lisboa.

"Ninguém nasce a odiar outra pessoa (...) As pessoas aprendem a odiar. E se o podem fazer, também podem ser ensinados a amar", disse o padre Domingos Fonseca, servindo-se das palavras de Nelson Mandela, homenageado na conferência promovida pela Câmara de Lisboa para assinalar a passagem na quarta-feira de 100 anos sobre o seu nascimento.

Para o padre Domingos Fonseca, as forças políticas da Guiné-Bissau recorrem atualmente "ao vício do cidadão comum" para fragilizar a sociedade, onde diz existir um "clima de desconfiança entre atores sociais e políticos", opinião reforçada por Osíris da Silva Ferreira, juiz do Supremo Tribunal da Guiné-Bissau, para quem a "má governação é patente", aliada à corrupção.

"Após a independência, praticamente nenhum governo chegou ao fim do seu mandato, porque existe uma desestruturação administrativa. Temos uma Constituição que prevê o princípio de separação de poderes, mas as estruturas nacionais não o respeitam", disse Osíris da Silva Ferreira, acrescentando que muitas instituições são conduzidas de forma a manipular as regras e normas sociais.

O juiz, envolvido, tal como o religioso, em iniciativas para a resolução de conflitos na Guiné-Bissau, indicou que o fim destas disputas pode estar nas mãos dos jovens: "Não podemos ir para o processo de reconciliação sem a formação integral da nossa juventude, que possa ter o seu papel fundamental na reviravolta de todo este processo".

"Temos de aceitar o passado, conviver com o presente e perspetivar o futuro", num "processo inclusivo e participativo", afirmou Osíris da Silva Ferreira.

O juiz e o padre Domingos Fonseca não hesitaram em denunciar situações de "má governação", "interesses" e outros problemas presentes a nível político e social na Guiné-Bissau, perante convidados de vários outros países na conferência sobre o legado de Nelson Mandela nos processos de paz e reconciliação em zonas de conflito.

Conosaba/Lusa

Sem comentários:

Publicar um comentário