quinta-feira, 6 de outubro de 2022

PR da Guiné-Bissau convoca cimeira extraordinária da CEDEAO para debater segurança


CIMEIRA EXTRAORDINÁRIA DA CEDEAO SOBRE SEGURANÇA CONVOCADA PELO GENERAL ÚMARO SISSOKO EMBALÓ, PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DA CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DESTA ORGANIZAÇÃO REGIONAL, DE 13 A 14 DE OUTUBRO EM DAKAR-SENEGAL
O Presidente da República e Comandante em Chefe das Forças Armadas e actual Presidente em Exercício da CEDEAO desdobra-se em contactos aos níveis regional e internacional, com vista à realização de uma Cimeira Extraordinária da CEDEAO, alargada aos principais parceiros desta zona regional ocidental africana, com o objectivo de se conseguir um debate sério e aprofundado em matéria de segurança.
O surgimento de golpes de Estado registados no Mali, Guiné-Conakry e por duas vezes seguidas num curto espaço de tempo no Burkina Faso, bem como as acções terroristas desencadeadas pelos jihadistas, que têm atingido alguns países da nossa região ocidental africana (Mali, Nigêria, Burkina Faso, Niger e Togo) e central (Camarões e Tchad), exigem uma urgente concertação.
Assim e na procura de uma estratégia e de acções concertadas entre os países da CEDEAO e os seus principais parceiros de desenvolvimento, o General Úmaro Sissoco Embaló, na sua qualidade de Presidente em Exercício da CEDEAO deslocou-se ontem à Paris, onde manteve um encontro de trabalho com o seu homólogo francês, Emmanuel Macron, cujo tema centrou-se na actual situação política que se vive ao nível da África Ocidental e Central, a exemplo do que fez em Nova Iorque com os Primeiros-ministros da Alemanha, Portugal e com a União Europeia.
O Presidente em Exercício da CEDEAO convocou uma Cimeira Extraordinária da CEDEAO que se realizará em Dakar de 13 a 14 de Outubro corrente, estando neste momento a ultimar os pormenores com o seu homólogo senegalês, Macky Sall.
Segundo a informação avançada na página oficial do Facebook da Presidência da Guiné-Bissau, a cimeira extraordinária deverá ocorrer entre 13 e 14 de outubro, em Dacar, no Senegal, e contará com a presença dos principais parceiros internacionais da sub-região.

O objetivo da cimeira é "conseguir um debate sério e aprofundado" e uma "urgente concertação" em matéria de segurança, tendo em conta os golpes de Estado registados no Mali, Guiné-Conacri, Burkina Faso, bem "ações terroristas desencadeadas por jihadistas, que têm atingido alguns países da África Ocidental e Central".

"Assim e na procura de uma estratégia e de ações concertadas entre os países da CEDEAO e os seus principais parceiros de desenvolvimento, o General Umaro Sissoco Embaló, deslocou-se segunda-feira a Paris, onde manteve um encontro de trabalho com o seu homólogo francês, Emmanuel Macron, cujo tema centrou-se na atual situação política que se vive ao nível da África Ocidental e Central, a exemplo do que fez em Nova Iorque com os primeiros-ministros da Alemanha, Portugal e com a União Europeia", refere a Presidência guineense.

Governo diz que aumento de preços no mercado guineense “é má vontade” dos comerciantes

O ministro do Comércio da Guiné-Bissau, Abas Djaló, acusou hoje os comerciantes do país de "pura má vontade" para diminuírem os preços de produtos de primeira necessidade, apesar das isenções fiscais e aduaneiras concedidas pelo Governo.

Num encontro com os comerciantes em Gabu, a 200 quilómetros a leste de Bissau, o governante explicou que o Governo decidiu baixar de sete para cinco a base tributária de produtos como o arroz, farinha e óleo, mas os preços aumentaram.

Segundo o ministro, o Governo acordou com um importador trazer cerca de 50 mil toneladas de arroz, que estava isento de taxas aduaneiras para baixar o preço no mercado, mas o importador vendia o arroz ao comerciante como se tivesse pagado as taxas.

O governante disse que "o esquema", em vez de ajudar a baixar os preços do arroz, provocou a situação inversa, porque, disse, o importador fez concorrência desleal e ainda lesou o Estado.

Abas Djaló afirmou que os incentivos fiscais e aduaneiros que o Governo tem dado aos comerciantes não estão a ajudar a baixar as taxas.

"Os comerciantes não querem que os preços baixem. Há pura má vontade da parte dos comerciantes" na Guiné-Bissau, notou o ministro, que já propôs ao Governo a mudança de estratégia.

"Escrevi uma carta ao primeiro-ministro a pedir que o Governo reponha a base tributária dos produtos de primeira necessidade e que informe os importadores que podem vender ao preço que quiserem, mas têm de pagar todos os impostos e taxas", defendeu Abas Djaló.

O ministro do Comércio afirmou que a Guiné-Bissau, por ser um país pobre, "está a sentir ainda mais" os reflexos da situação mundial, com a guerra na Ucrânia e a crise energética, mas também as consequências da instabilidade governativa dos últimos anos.

O governante considerou, contudo, que isso não pode ser motivo para que os comerciantes não olhem para a situação geral da população, sobretudo, disse, com as medidas que têm sido propostas pelo Governo.

O preço dos produtos de primeira necessidade na Guiné-Bissau tem aumentado quase todas as semanas.

Um saco de arroz, base alimentar dos guineenses, de 50 quilogramas passou dos 16 mil francos cfa (cerca de 24 euros) para 23 mil francos cfa (cerca de 35 euros).

O ordenado mínimo na Guiné-Bissau é de 50.000 francos cfa (cerca de 75 euros), mas ainda há pessoas que recebem menos do que aquele valor.

Conosaba/Lusa

Ex-presidente da República Raimundo Pereira entregou ontem a sua carta de coordenação a presidente da comissão Nacional preparatória do X Congresso do PAIGC - Radio Voz Do Povo

Governo da Guiné-Bissau reintegra mais de 2.800 professores

Mais de 2.800 professores da Guiné-Bissau, cuja contratação havia sido suspensa, foram reintegrados e já vão receber o salário de outubro, anunciou hoje o Ministério das Finanças guineense, em comunicado.

O Governo da Guiné-Bissau anunciou em setembro a suspensão dos contratos de novos ingressos no setor da saúde e educação.

Na semana passada, a Frente Social, que junta os dois sindicatos do setor da saúde e os dois sindicatos da educação, manifestaram-se em frente ao Palácio do Governo, em Bissau, contra a polémica suspensão dos novos ingressos, aumento do custo de vida, os subsídios milionários dos governantes e abuso de poder.

Em declarações aos jornalistas, Yoyo João Correia, presidente do Sindicato Nacional dos Enfermeiros, Técnicos de Saúde e Afins da Guiné-Bissau, disse esperar chegar a um acordo com o Governo antes da greve marcada para os setores entre 10 e 14 de outubro.

Conosaba/Lusa

Capitão Ibrahim Traoré oficialmente nomeado Presidente do Burkina Faso


Ouagadougou, 05 out 2022 (Lusa) – O capitão Ibrahim Traoré, que comandou o golpe em 30 de setembro no Burkina Faso, foi oficialmente nomeado esta noite Presidente do país, segundo um comunicado intitulado Ato Fundamental, lido na televisão nacional.

“O presidente do Movimento Patriótico para a Salvaguarda e Restauração (MPSR) desempenha as funções de Chefe de Estado, Chefe Supremo das Forças Armadas nacionais”, indica o Ato Fundamental, que substitui temporariamente a Constituição do Burkina Faso, enquanto se aguarda a adoção de uma carta de transição.

O Ato Fundamental foi lido pelo capitão Kiswendsida Farouk Azaria Sorgho, porta-voz do MPSR.

Em 30 de setembro, Burkina Faso sofreu o seu segundo golpe de Estado neste ano, após outro golpe liderado em 24 de janeiro pelo ex-Presidente de transição, tenente-coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba.

A tomada do poder pelos militares ocorreu em ambas as ocasiões após o descontentamento entre a população e o Exército devido aos ataques ‘jihadistas’ que o país sofre desde abril de 2015, realizados por grupos ligados tanto à Al-Qaida quanto ao Estado Islâmico (EI) e que já deslocou quase dois milhões de pessoas.

Conosaba/Lusa

quarta-feira, 5 de outubro de 2022

LÁGRIMAS DO POVO.

As lágrimas do Próximo Primeiro-ministro, hoje, dia 02 de Outubro de 2022, na plenária da sala do II congresso, quando usava da palavra depois da sua recondução com coordenador de MADEM-G15, pelos Delegados presentes, traduzem o sentimento de um filho do povo, bem qualificado, humilde, dialogante, congregador, reconciliador, um homem de Deus, despido de todas as vaidades e altamente comprometido com o seu povo.

Digo isso sem nenhum complexo porque é uma realidade nua e crua, sobretudo em relação aqueles
que conseguiram comprar na Europa apartamentos de centenas de milhares e euros, e os que em Bissau construíram casas que, até uma das quais, alguns ex-governantes.

As lágrimas do futuro Primeiro-ministro Bá Di Povo comportam uma mensagem forte, a mensagem de ruptura com as práticas do passado na governação, a esperança, o resgate dos valores que outrora fizeram da pátria de CABRAL um país de boas referências.

As lágrimas do Futuro Primeiro-ministro Bá Di Povo, são um aviso sério aos que pensam que a oportunidade que vai ser dada depois do dia 18, e para se servirem dos recursos do Estado “pa ruma vida”. Aconteceu no passado, mas além do facto de que aquilo que foi roubado vai ser recuperado brevemente, Futuro governo será rigorosamente fiscalizado, não só pelos digníssimos deputados da Nação mas também por todos os Guineenses, sem excepção.

I kinku pensa cuma, âmi Nhá partido cu indican, na faci kekun misti, si dunu Sta. Nganadu, porque aqui o boss chama-se Bá Di Povo, que vai ter a luz verde e o total apoio, tanto do General Presidente UMARO SISSOCO EMBALO BANNA, para realizar o sonho dos Guineenses, construindo o país nos próximos 4 anos da próxima legislatura.

Pensando na kil púbis ku na sufri, ca tene acesso a luz, iagu potável, bom escola, bom saúde, cuca pudi manda si fidjus pá europa, cu ta da só um tiro, cu na vivi inda na sucuru!
Lagrimas di esperança!
Pa Deus cubriu si manta sagrado!
Lema tem ku sedu: DJUBI TRAS KA TEM. SEMPRE EM FRENTE.
Por: Yanick Aerton

segunda-feira, 3 de outubro de 2022

Madem-G15 assume “responsabilidade histórica” de devolver confiança aos guineenses

Bissau, 30 set 2022 (Lusa) – O coordenador nacional do Movimento para a Alternância Democrática da Guiné-Bissau, Braima Camará, afirmou que o partido que lidera vai assumir a “responsabilidade histórica” de devolver a confiança e a esperança aos guineenses.

“O Madem-G15 assume a responsabilidade histórica de devolver a confiança e a esperança ao povo e aos combatentes da liberdade da pátria”, afirmou Braima Camará no discurso na cerimónia inaugural do congresso, o segundo realizado pelo partido, criado em 2018.

No discurso, Braima Camará, que anunciou oficialmente quinta-feira que se recandidata ao cargo, salientou que o congresso vai reafirmar a visão do partido expressa no programa política e assente no “facto de que o Madem-G15 representa o único partido capaz de acelerar a estabilidade política e institucional sustentada da Guiné-Bissau”.

“Para a realização desse desígnio o Madem-G15 propõe-se a garantir um bom relacionamento institucional com o Presidente da República e com os demais órgãos de soberania num quadro harmonioso que respeite os princípios fundamentais de um Estado de Direito democrático”, afirmou.

Sublinhando que o partido “está a crescer de forma sólida” e que vai “promover e aprofundar a unidade nacional”, Braima Camará salientou que o Madem-G15 está “aberto a todos os cidadãos independentemente da sua origem, estatuto social, crença religiosa, pertença étnica ou cor da pele”.

“Somos todos Guiné-Bissau”, disse, acrescentando que o reforço do partido e a promoção da unidade nacional são “incontornáveis à promoção do desenvolvimento socioeconómico” do país.

Dedicado ao tema “Consolidar o partido, promover a unidade nacional e desenvolver a Guiné-Bissau”, o congresso vai reunir mais de 2.515 delegados em Gardete, nos arredores de Bissau, até domingo, para escolher a sua nova liderança e definir estratégia para as legislativas antecipadas, marcadas para 18 de dezembro.

Braima Camará, que liderou o partido desde a sua criação e que conseguiu ser o segundo mais votado nas legislativas de 2019, foi o único a anunciar oficialmente a sua candidatura, mas fontes partidárias disseram à Lusa que há a possibilidade de serem apresentadas mais duas.

ConosabaU/Lusa