domingo, 9 de dezembro de 2018

TCHUMA BARI - FIM DE SEMANA

PRS - COMUNICADO À IMPRENSA



PR DA GUINÉ-BISSAU ASSINA SETE ACORDOS COM GUINÉ EQUATORIAL


O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, disse hoje que foram assinados sete acordos de cooperação durante a visita de 48 horas que realizou à Guiné Equatorial.

"Celebrámos sete acordos importantes para o futuro da relação entre os dois países", afirmou José Mário Vaz, em declarações aos jornalistas no aeroporto internacional Osvaldo Vieira, sem precisar os setores.

Na declaração, sem direito a perguntas, o Presidente guineense disse ter saído da Guiné Equatorial encorajado, porque ambos os países têm "inimigos comuns", nomeadamente a pobreza, a má nutrição e o subdesenvolvimento.

"No encontro que tivemos, os dois chefes de Estados decidiram trabalhar juntos para combater esse inimigo comum", afirmou.

Na declaração aos jornalistas, o Presidente guineense não falou sobre a suspensão, decidida pelo Ministério Público, do recenseamento eleitoral em curso no país, que o Governo já considerou ilegal.

O chefe de Estado guineense viajou acompanhado do ministro dos Negócios Estrangeiros, João Ribeiro Có, e do ministro da Defesa, Eduardo Costa Sanhá, e membros da Presidência guineense.

As relações diplomáticas entre os dois países são recentes e foram reforçadas com a entrada da Guiné Equatorial na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), durante a cimeira de Díli, em 2014.

O primeiro embaixador da Guiné Equatorial para a Guiné-Bissau, Tito Mba Ada, baseado em Lisboa, entregou em novembro as cartas credenciais ao Presidente guineense.

Conosaba/Lusa

«EM COMUNICADO DIVULGADO À IMPRENSA» PGR DA GUINÉ-BISSAU DECLARA "TOLERÂNCIA ZERO" A QUALQUER PROTESTO QUE NÃO RESPEITE AS LEIS DO PAÍS



Conosaba/Braima Darame

sábado, 8 de dezembro de 2018

TCHUMA BARI - MEU AMOR

«ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES GUINEENSES NO BRASIL» CARTA ABERTA GREVE NO ENSINO PÚBLICO DA GUINÉ-BISSAU










MISSÃO DA CEDEAO CHEGA A BISSAU NA SEGUNDA

Durante a sua estada em Bissau, a missão vai reunir-se com as autoridades nacionais, líderes políticos e representantes da comunidade internacional.


O anúncio da chegada da missão ministerial da CEDEAO ocorre um dia depois de o Ministério Público, através de um despacho, ter ordenado a suspensão do recenseamento eleitoral em curso no país e colocado forças de segurança no Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral no âmbito de uma investigação que está a fazer por suspeitas de fraude.

A investigação teve início na sequência de uma queixa apresentada por um grupo de partidos políticos, onde está incluído o Partido de Renovação Social (segunda maior força do país e que faz parte do atual Governo em funções no país), terem apresentado uma queixa no Ministério Público por alegadas irregularidades no processo de recenseamento.