terça-feira, 19 de junho de 2018

«SOLIDARIEDADE» PRESIDENTE DA GUINÉ-BISSAU VISITA AS FAMÍLIAS AFETADAS PELOS INC^ENDIOS NA ILHA DE CARACHE


No passado dia 14 de Junho de 2018, José Mário Vaz - Presidente da Republica da Guiné-Bissau visitou as famílias afetadas pelos incêndios na ilha de carache.

O incêndio deflagrou deixando várias famílias sem nada, perderam as suas casas e todos os pertences, felizmente não se registou nenhum ferido!

Nesse sentido, o Presidente e a sua comitiva, deslocaram a ilha para solidarizar com as vitimas do incendeio e prestar todo o apoio necessário neste momento difícil para os habitantes que vivem na ilha de carache.







PRESIDENTE GUINEENSE ENTREGA DONATIVOS OFERECIDOS PELO REINO DE MARROCOS

Cerimónia da entrega de donativos do reino de Marrocos à Guiné-Bissau.
A Guiné-Bissau recebeu cerca de 20 toneladas de géneros alimentícios para distribuir as famílias mais cadenciadas no âmbito da celebração do ramadão. 

"O nosso muito obrigado ao Reino de Marrocos por mais este gesto de amizade e cooperação" agradeceu o Presidente República

«MUNDIAL 2018 NA RÚSSIA» SENEGAL VENCE A POLÓNIA POR 2-1

O Senegal venceu esta terça-feira a Polónia por 2-1, no jogo do Grupo H.

A seleção africana beneficiou de um autogolo de Cionek e de um tento de Niang. Krychowiak ainda reduziu para os polacos nos instantes finais, um golo insuficiente para evitar a derrota.

Vitória suada mas muito meritória do Senegal, que esteve muito seguro na defesa e foi conseguindo anular as peças mais influentes da Polónia. O golo polaco veio trazer alguma justiça ao marcador, pois o jogo foi globalmente equilibrado; a diferença esteve na qualidade defensiva, que foi superior nos africanos.

Senegal e Japão lideram o grupo com três pontos, Polónia e Colômbia têm zero e estão nas duas últimas posições.

Terminada a 1.ª jornada da fase de grupos: há mais golos na sequência de bola parada [20] do que bola corrida [18] neste Mundial 2018.
 
Braima Drame com Conosaba do Porto

"ABASTECIMENTO DE ELETRICIDADE A BISSAU SERÁ REGULARIZADO EM OUTUBRO", DIZ PM DA GUINÉ-BISSAU

O fornecimento de eletricidade a Bissau deverá estar regularizado a partir de outubro com um contrato para a distribuição de fuel óleo, anunciou hoje o primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes.

O líder do Governo guineense fez o anúncio à margem de um encontro de trabalho com uma missão técnica do Banco Mundial (BM), que se encontra em Bissau para estudar a possibilidade para a melhoria imediata do abastecimento de energia elétrica.

Aristides Gomes avançou que o Governo, apoiado pelo Banco Mundial, estuda com a empresa inglesa Agrekko a possibilidade de revisão do contrato de fornecimento de energia em vigor ao abrigo do qual Bissau recebe 15 megawatts de energia produzida a gasóleo.

É intenção do Governo guineense que a energia passe a ser produzida com base no fuel óleo, combustível que as autoridades acreditam ser impossível de ser roubado como acontece com o gasóleo na central elétrica de Bissau.

Nos últimos meses, a capital guineense conhece cortes sistemáticos de energia. As autoridades indicam que o roubo do gasóleo leva àquela situação.

Para já, a solução é a mudança do tipo de combustível, mas antes do final do ano, o primeiro-ministro quer ter um contrato assinado entre a Empresa de Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau (EAGB) e uma empresa que fornece energia a partir de um barco que ficará ancorado ao largo de Bissau.

Cristina Svensson, a representante do Banco Mundial na Guiné-Bissau, que participou na reunião com Aristides Gomes, disse que a sua instituição "está do lado das autoridades" e vai apoiar, com uma assistência técnica, as iniciativas visando a melhoria da gestão da EAGB.

Svensson anunciou uma assistência de três anos para a melhoria do desempenho da EAGB.

O diretor-geral da empresa, René Barros, pediu calma à população de Bissau, salientando que compreende o défice no fornecimento de energia elétrica, como é reclamado pelos clientes.

O mesmo dirigente afirmou que a Agrekko se comprometeu a fornecer 15 megawatts à EAGB, mas neste momento apenas dá 14, devido a uma avaria num grupo eletrogéneo.

René Barros esclareceu que para atender toda população de Bissau, seriam necessários mais de 40 megawatts de energia elétrica.

Conosaba/Lusa





REUNIÃO DE TRABALHO» VISITA A CÂMARA MUNICIPAL DE ESPINHO

 Dr. Vicente Pinto & General Julião Dimande


Na manhã do dia 13 de Junho de 2018, o General Julião Dimande, Presidente da Câmara de Comércio de Moçambique foi muito bem recebido pelo Sua Excelência Dr. Vicente Pinto, Vice Presidente desta autarquia

Sempre acompanhado pelo Cônsul Honorário da Republica da Guiné Bissau, em Espinho e os Conselheiros Dentro do quadro da diplomacia económica foram abordados temas de cooperação entre o Concelho de Espinho, Moçambique e a Guiné Bissau.




TRIBUNAL GUINEENSE ARQUIVA DEFINITIVAMENTE PROCESSO CONTRA JOÃO BERNARDO VIEIRA


O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) arquivou definitivamente o processo que ocorria há três anos contra o antigo Secretário de Estado de Transportes e Telecomunicações, João Bernardo Vieira. A decisão vem depois de a instância declarar a inconstitucionalidade material do processo

O STJ declarou a inconstitucionalidade material do processo através do acórdão Nº 1/2017, de 14 de Julho.

Esta segunda-feira, o advogado de João Bernardo Vieira, Carlos Pinto Pereira deu uma conferência de imprensa para falar do assunto e através de uma nota de imprensa distribuída explica que depois da decisão “por unanimidade” dos juízes conselheiros que compõem o STJ entendeu-se o dever exercer o seu direito de impugna-la, através de recurso.

“ (…) No passado dia 14 de Fevereiro, a plenária de Supremo Tribunal de Justiça proferiu novo acórdão, o nº 1-A/2018, também por unanimidade dos juízes, no qual se decidiu não apreciar a nulidade imputada ao acórdão reclamado por extemporaneidade e, consequentemente, indeferindo liminarmente o requerimento do ministério público”, explicou.

Carlos Pinto Pereira esclarece as consequências desta decisão sobre o processo do antigo secretário de estado.

“Nos termos deste acórdão o processo em causa será definitivamente arquivado, ainda que o ministério público - a revelia da constituição da república e da lei - o não queira respeitar, nenhum tribunal da Guiné-Bissau poderá desrespeitar um acórdão da instância máxima judicial guineense e todos os demais processos de inquérito que não foram concluídos no prazo de seis meses, serão simplesmente arquivados”, garante.

João Bernardo Vieira considerou este processo desde início de “um processo político que tem como um único objectivo, pôr em causa a minha imagem, o meu bom nome e a minha reputação”.

O também porta-voz do PAIGC foi ainda mais longe afirmando que ao longo do percurso de três anos chegaram a conclusão que “o ministério público perdeu com o rumo das suas funções constitucionais”.

“A Guiné-Bissau precisa de um procurador- geral de república imparcial, íntegro e competente”, sustenta.

João Bernardo Vieira avisa que depois de três anos de “muita calúnia e difamação” vai meter uma queixa de indemnização contra o Estado da Guiné-Bissau.

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos / Anézia Tavares/radiosolmansi com Conosaba do Porto



 Conosaba/Braima Darame

PRESIDENTE DA ANP INSATISFEITO COM DESENTENDIMENTO DOS MUÇULMANOS NO FIM DE RAMADÃO

O presidente de Assembleia Nacional Popular (ANP), Cipriano Cassamá, manifestou-se descontente com o desentendimento verificado no festejo de fim de ramadão

Cipriano Cassama que falava, esta sexta-feira, momento após terminar a reza a frente da Câmara Municipal de Bissau disse ainda que os muçulmanos devem cumprir com as orientações de quem estiver a frente.

«Hoje vimos um desagrado, outros a rezarem hoje e outros amanhã o que não pode existir entre nós muçulmanos. Temos que cumprir com as orientações das pessoas que estão a nossa frente».

Por outro lado, pediu aos muçulmanos para não misturarem a política com a religião, tendo revelado que “ o dia de hoje não pode existir só os muçulmanos mas sim guineenses solidários com os muçulmanos. Não pode haver divergência entre os muçulmanos”.

“Não devemos misturar a política com a religião, quem quer fazer política que espere o momento ideal para tal não numa celebração religiosa”, aconselha.

Entretanto, o líder da ANP aproveitou a ocasião para anunciar que na próxima terça-feira governo de Aristides Gomes vai apresentar o seu programa e orçamento geral de Estado.

“Na próxima terça-feira o governo vai apresentar dois instrumentos de governação para isso, quero apelar os guineenses para que não exista mais convulsões e sobressaltos, apelando paz definitivo para que haja confiança entre os guineenses”, explica Cipriano Cassama.

Bairro d´Ajuda

Entretanto, na mesquita de Bairro d´Ajuda, o Imame central mostrou-se surpreendido com a forma como, mais uma vez, os fieis não conseguirem rezar num único dia, uma vez que foi criada uma comissão antes do início da Ramadã.

Aladje Mamadu Iaia Djalo falava ao microfone da RSM, momento depois da reza de 29 dias de sacrifícios, abstinência e jejum por parte dos fiéis muçulmanos.

Aos microfones da RSM, na mesma ocasião, o Procurador-Geral da República Bacari Biai, apela o entendimento no ceio dos fieis assim como para os guineenses.

Bairro Militar

O Imame, Sana Camara, defendeu o diálogo e união no seio dos muçulmanos para que a palavra de deus seja cumprida depois de um período de sacrifícios e abstinências.

No que se tange a possível reza de Ramadão nos dois dias no país, Sana Camara, reconhece que houve falha a celebração do fim do jejum porque “não deve ser dois dias uma vez que a peregrinação só se faz uma vez”.

“Os muçulmanos devem dialogar para evitar muitas divergências”, exorta.


CNI pede muçulmanos para rezarem no sábado
Apesar do governo decretar, esta sexta-feira (15), feriado nacional em consequência da festa do dia de Ramadão, Ustas Aladje Abubacar Djalo, Presidente do Conselho Nacional dos Imames da Guiné-Bissau, disse que respeita a decisão mas sustenta que o consenso conseguido não é da maioria dos muçulmanos guineenses.

Por isso nesta quinta-feira (14), no programa religioso da Rádio Sol Mansi “Voz do Islão”, Ustas diz que, esta sexta-feira, é 30 do Ramadão porque a lua não foi vista.

Ainda, no mesmo programa, Ustas diz que o mundo árabe decreta, esta sexta-feira, o dia da reza mas a lua não foi vista na Guiné-Bissau em todas as zonas contactadas no país e na sub-região.

De referir que a semelhança dos anos anteriores, no país, os muçulmanos não se entenderam relativamente ao dia da reza do fim de ramadão, facto que levou uma parte a rezar hoje e a outra amanhã.

Em Bigene, Biombo, Cacheu, Canchungo e Empada os muçulmanos também rezaram.



Por: Elisangila dos Santos / Nautaram Marcos Có / Braima Sigá / Marcelino Iambi/radiosolmansi com Conosaba


Imagem: Nautaram Marcos Có