segunda-feira, 22 de julho de 2019

ABEL XAVIER DEIXA COMANDO TÉCNICO DA SELEÇÃO MOÇAMBICANA DE FUTEBOL

O treinador Abel Xavier vai deixar o comando da seleção moçambicana de futebol, ao acordar a não renovação do contrato com a federação daquele país africano, anunciou esta segunda-feira o antigo internacional português.

"Esta manhã estive reunido com a Federação Moçambicana de Futebol e foi decidido desta forma", escreveu Abel Xavier na sua conta oficial no Facebook, remetendo mais detalhes para terça-feira, numa comunicação pública.

Abel Xavier, que assumiu o comando técnico dos mambas por objetivos em 2016, sai do cargo após falhar a qualificação para as últimas duas edições da Taça das Nações Africanas (CAN).

Nascido em Nampula, província do norte de Moçambique, em 1972, Abel Xavier iniciou a carreira de futebolista profissional no Estrela da Amadora, tendo posteriormente jogado no Benfica e representado por 20 vezes a seleção portuguesa.

O antigo jogador alinhou também nos ingleses do Liverpool e nos turcos do Galatasaray, tendo tido passagens pelo Los Angeles Galaxy, dos Estados Unidos, ao lado de David Beckham.

A carreira de Abel Xavier como treinador começou em 2013, quando assumiu a liderança do Olhanense.

Conosaba/Lusa

DÉFICE FISCAL DA GUINÉ-BISSAU SITUA-SE NA ORDEM DE 6%, A META É REDUZIR PARA 3% - MINISTRO DAS FINANÇAS

Bissau, 22 jul 2019 (Lusa) – O novo ministro da Economia e Finanças da Guiné-Bissau prometeu hoje reduzir a metade o défice público do país até final do ano, através de maior rigor no controlo das despesas públicas e aumento das receitas.

O défice cifra-se na ordem dos 6%, mas Geraldo Martins disse que o novo governo tem como objetivo reduzir esse valor para 3%.

O novo ministro da Economia e Finanças guineense apontou como causa do défice, entre outras, alguns compromissos que o anterior Governo teve de assumir, sobretudo a partir de janeiro deste ano, nomeadamente as despesas com a realização de eleições legislativas e o reajuste salarial, em decorrência de exigências dos sindicatos dos trabalhadores da Função Pública.

O Estado guineense "foi obrigado a honrar aqueles compromissos", mas em contrapartida não houve aumento na arrecadação de receitas, precisou Martins que agora vai propor medidas para "comprimir ao máximo" as despesas públicas, através do comité de tesouraria nacional, e outras para fazer crescer as receitas, até final do ano.

Entre as medidas, precisou o ministro, está a aprovação do Orçamento Geral do Estado de 2019.

"Neste momento, o défice fiscal da Guiné-Bissau está a volta de 6 % em relação ao Produto Interno Bruto, o nosso objetivo, de acordo com os critérios de convergência da UEMOA (União Económica e Monetária da África Ocidental), é faze-lo baixar para cerca de 3 %" explicou Geraldo Martins.

Outra meta do novo ministro da Economia e Finanças guineense é retomar as conversações com o Fundo Monetário Internacional (FMI), interrompidas em janeiro, para permitir que seja feita a sexta avaliação ao cumprimento dos objetivos fixados no âmbito do Programa Alargado de Crédito que vai permitir ao país receber um crédito, no valor total de 27,6 milhões de euros.

O FMI adiou aquela avaliação, em janeiro, aguardando pela realização das eleições legislativas, que tiveram lugar a 10 de março.

Conosaba/Lusa

BOAD DISPONIBILIZA 20 BILIÕES FCFA PARA REABILITAÇÃO DO AEROPORTO DE BISSAU - notícia Rádio NACIONAL


O BOAD disponibilizou 20 dos 27 bilhões de Francos Cfa necessários para a reabilitação e modernização das infra-estruturas aeronáuticas do Aeroporto Internacional Osvaldo Vieira.

A decisão saída da reunião do Conselho da Administrativo do BOAD, foi anunciada pelo Secretário de Estado dos Transportes e Comunicações, tendo realçado a necessidade do governo recorrer ao empréstimo junto dos bancos comerciais para a cobertura total dos fundos do projecto.

SAMUEL DINIS MANUEL falava ontem na abertura da décima quarta reunião do Comité de Gestão das Actividades Aeronáuticas Nacionais, onde saúdou o contributo da ASECNA para modernização do Aeroporto Osvaldo Vieira.

Foto: net/Aliu Cande

GOVERNADOR DE GABÚ DENUNCIA SUBIDA DE CRIMINALIDADE NA REGIÃO


O governador da região de Gabú, Abudo Sambú, revelou em entrevista ao jornal O Democrata que a criminalidade subiu nos últimos tempos naquela região leste do país e defende que o Estado deve criar condições e emprego para a juventude, como forma de impedir que o flagelo aumente drasticamente ou que ganhe proporções alarmantes. Abudo Sambú fez esta observação à margem da participação de seis governadores locais da Guiné-Bissau das regiões de Gabú, Bafafá, Oio, Cacheu, Bolama e Bissau na trigésima quinta (35ª) Assembleia-Geral da organização das Cidades Capitais Lusófonas (UCCLA) que teve lugar no passado dia 27 de maio de 2019, em Portugal, na Câmara Municipal de Lisboa.

O fenómeno da criminalidade que diminuiu em 2018 voltou a subir, segundo Abudo Sambú, nos últimos tempos (de janeiro a junho de 2019) de forma gritante com registo de perda de vidas humanas. As causas, de acordo com o governador, estão “fortemente” relacionadas com conflitos de posse de terra, sobretudo conflitos ligados à posse de pomares de cajú, problemas entre agricultores e criadores de gado, problemas esses derivados da não definição das zonas de pastagem.

“PARA TERMOS MÃO DE OBRA QUALIFICADA É IMPERATIVO TERMOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL”

Em relação à trigésima quinta (35ª) Assembleia-Geral da organização das Cidades capitais lusófonas, informou que todos os anos mais de cem delegações dos países lusófonos da CPLP, incluindo Timor, Macau e Brasil, são convidadas para tomarem parte no evento que visa essencialmente proceder a um balanço anual das suas atividades e abrir facilidades através de parcerias em diferentes domínios, com destaque para as áreas sociais entre diferentes cidades Capitais de Países lusófonos membros da organização, no sentido de permitir a essas cidades “tomarem o pulso aos assuntos e conhecer de perto” as suas necessidades.

Para além da Assembleia-geral, o governador diz ter encetado encontros com os presidentes de Câmaras de algumas cidades como a de Lamego, batizada com o nome da Cidade de Gabú (Nova Lamego), porque o ex-governador de Gabú durante a era colonial era filho e natural da Cidade de Lamego, em Portugal.

Depois de Lamego foi a vez da Câmara Municipal da Moura, situada a 200 quilómetros de Lisboa, encontro em que todos os membros da delegação receberam o símbolo mais alto da Cidade (Medalha de Moura) e Gabú saiu com a possibilidade de parceria com a escola Profissional de Moura.

“Para termos mão-de-obra qualificada é imperativo ter formação profissional. Gabú já tem abertura para poder mandar nos próximos tempos, técnicos Administrativos da cidade para Portugal/Moura para serem capacitados em troca de correspondências e mecanismos de organização das cidades”, afirmou.

A delegação da região de Gabú, composta apenas pelo Governador e pelo Administrador do Setor de Gabú, manteve ainda encontro com a Associação dos filhos e Amigos da Região de Bafatá, associação apoiada pela ONG portuguesa “João XXIII”.

Com a ONG “João XXIII”, a missão de Gabú assinou um acordo de parceria, já em vigor, nas áreas de Educação e Saúde. A ONG “João XXIII” atua no apoio às infraestruturas educativas, no tratamento especializado de crianças doentes e intervém na evacuação de doentes para o exterior, se necessário. O acordo pode funcionar diretamente com a representação da ONG, a partir do Hospital Nacional Simão Mendes, em Bissau.

Na entrevista que concedeu ao seminário guineense, o governador da região de Gabú garantiu que no quadro do acordo assinado com Cidade a ONG Portuguesa “João XXIII” chega à cidade Gabú, no próximo mês de Agosto deste ano, um contentor de 40 pés, carregado de diversos materiais e equipamentos, oferta de “João XXIII” ao Hospital regional de Gabú.

“Pelo menos são indicadores da visita que considero altamente positiva em resposta ao convite da UCCLA para participar nesta sua 35ª Assembleia-geral”, realçou.

O Democrata

Mindjeres no vivi no dissa no colegas vivi/Guiné Bissau��������

BCEAO ELABOROU PLANO DE AÇÃO PARA APOIAR EMPRESAS GUINEENSES


A diretora Nacional do Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO), Helena Nosolini Embaló, revelou esta sexta-feira, 19 de julho de 2019, que o BCEAO já elaborou um plano de ação para apoiar às Pequenas e Médias Empresas (PME) elegíveis no quadro do dispositivo adotado na Conferencia dos Chefes de Estado e do Governo do UEMOA em junho de 2012.

"Nós já elaboramos um plano de ação e esse plano de ação vai nos permitir chegar a bom porto, ou seja, muito rapidamente conseguir ter empresas elegíveis a estes dispositivos", explicou Nosolini Embaló.

Nosolini Embaló falava em conferência de imprensa, nas instalações da agencia principal do BCEAO, em Bissau, no final da reunião entre a instituição e os diretores dos bancos comerciais, na qual afirma que o processo está num ritmo bastante aceitável, devido ao quadro de concertação implementado entre o BCEAO, Bancos Comerciais e o Governo guineense.

Segundo Embaló, haverá quatro atores fundamentais para implementação deste dispositivo, nomeadamente os Bancos Comerciais, que vão assegurar o financiamento, o Executivo, que vai criar as condições do ambiente do negócio e as estruturas do acompanhamento até ao desembolso do credito.

A diretora Nacional do BCEAO diz que não se trata apenas só de por recursos as empresas elegíveis, mas também criar estruturas e formas que permitam acompanhar as empresas beneficiárias credito no desenvolvimento da sua atividade.

Por sua vez, o Ministro da Economia e das Finanças, Geral Martins, revela que este dispositivo consubstancia-se no programa do governo liderado por Aristides Gomes que está a ser preparado e que é fundamental trabalhar logo para sua implementação na pratica.

"Há um paradoxo nesta situação do desembolso do credito, porque uma grande parte das empresas são Pequenas e Médias Empresas (PME) não tem acesso ao credito bancário. São grandes empresas que têm acesso ao credito. Por isso, o nosso papel é analisar a situação e ver como mudar esta situação", argumentou Martins.

O dispositivo, lançado em 2018 pelo BCEAO, contempla um eixo estratégico e visa a melhoria da oferta de serviços financeiros a economia para criar um ambiente favorável ao financiamento das PME e ao mesmo tempo proporcionar a criação de uma massa crítica competitiva, suscitáveis de alavancar a contribuição dessas categorias de empresas, criação da riqueza e na luta contra o desemprego.

Todavia, os estudos realizados indicam que essas empresas deparam-se com imensas dificuldades para aceder aos meios de financiamento, nomeadamente os créditos de médio e de longo prazo, facto que limita fortemente a contribuição das mesmas na formação do Produto Interno Bruto (PIB) e na criação do emprego.

Por: AC
Conosaba/Rádio Jovem Bissau

«ÓBITO» COMUNICADO


Prezado camaradas. 

Tenho o doloroso dever de vos comunicar o falecimento da minha querida Mãe na madrugada deste domingo, dia 22/7/2019. Óbito ocorreu precisamente as 02h. 

As condolências serão recebidas na casa familiar no Bairro Militar CÃ CASSAMÁ, Atrás de antigo consolado de Gambia. 

Califa Soares Cassamá


GOVERNO GUINEENSE CRIA AGÊNCIA DE EMPREGO JUVENIL


Bissau, 19 Jul 19 (ANG) – O Governo da Guiné-Bissau, através da Secretaria de Estado da Juventude e Desporto aprovou em Conselho de Ministros a criação da Agência de Emprego Juvenil que servirá de elo de ligação entre os jovens com o mercado de trabalho.

A informação foi avançada pelo Secretário de Estado de Juventude e Desporto Dionísio Pereira hoje em entrevista exclusiva à Agência de Noticias da Guiné (ANG.

“Os jovens em desemprego vão ser registados na referida Agência e durante o tempo em que estiveram desempregados, beneficiarão de formação de reforço de capacidades nas suas áreas de formação e dependendo do interesse de cada um”, explicou o Secretário de Estado de Juventude e Desporto.

O governante disse que a camada juvenil constitui cerca 60 por cento da população guineense, acrescentando por isso que vai privilegiar as suas formações e que passará pela atribuição equitativa de bolsas de estudos.

Dionísio Pereira sublinhou que já estão a trabalhar nesse sentido em colaboração com o Ministério da Educação, porque há jovens urbanos, universitários, rural e deficientes e para o efeito é preciso serem capazes de elaborar políticas públicas para atender as necessidades da juventude.

Por outro lado, disse que o governo já dispõe de uma Política Nacional de Juventude, por isso prometeu fazer de tudo para a sua implementação prática.

Instado a falar do sector desporto, Pereira afirmou que o sector depara com falta de infraestrutura e de quadros, por esta razão a Secretaria de Estado de Juventude Desporto prometeu fazer diligencia para a formação de quadros para que possam corresponder com as actuais exigências do sector.

A propósito informou que têm em carteira a transformação da actual Direcção Geral de Desportos num Instituto Nacional dos Desportos, alegando que o país precisa de uma instituição para estabelecer parcerias com outras por forma a dinamizar o sector do desporto em geral.

Dionísio Pereira sublinhou que perspectivam realizar uma Conferência Nacional sobre o estado do Desporto para que as pessoas possam apresentar as suas ideias para a melhoria do sector e consequentemente a elaboração de um Plano Nacional para o sector por um período de dez anos.

Quanto a prestação do serviço da Selecção Nacional de Futebol no último Campeonato Africano da Nações(CAN-2019),disputado no Egipto, o governante afirmou que de facto a equipa nacional precisa de melhorar o seu desempenho nas competições internacionais.

Pelo que garantiu trabalhar em colaboração com Federação Nacional de Futebol, desde logo a começar pela elaboração de um roteiro a partir do qual o governo vai assumir as suas responsabilidades em relação a Selecção Nacional de Futebol.

Quanto ao pagamento de subsídios em atraso aos jogadores da equipa nacional de futebol que tem sido um dos problemas entre a Federação de Futebol da Guiné Bissau e os atletas, disse que o governo vai continuar a honrar os seus compromissos como fez recentemente. 

Conosaba/ANG/LPG/ÂC

«BLUE & FASHION» GRANDE EVENTO EM LISBOA - SEXTA-FEIRA, 23 DE AGOSTO DE 2019


GOVERNO GUINEENSE PROMETE MELHORIA DE CONDIÇÃO DE VIDA DOS CIDADÃOS GUINEENSES


Os dados oficiais apontam que na Guiné-Bissau um em cada seis (1/6) crianças morre antes de atingir os cinco (05) anos de vida e a mortalidade materno-infantil é de 560/100.000, diz o relatório lançado sobre direito á saúde na Guiné-Bissau

O documento foi lançado oficialmente, esta quinta-feira, 18 de Julho, pela Liga Guineense dos Direitos Humanos e insere-se no âmbito de um projecto financia pelo SWISSAID-GB, com o objectivo de interpelar as autoridades nacionais e a sociedade civil em geral sobre a precaridade do sistema de saúde Guineense.

O relatório também pretende contribuir para a definição e formulação da política e estratégias que favoreçam a edificação de um verdadeiro sistema nacional de saúde na Guiné-Bissau.

A cerimónia de lançamento oficial foi presidida pela ministra da saúde pública, Magda Robalo Silva, onde afirma que a saúde é primeiro uma responsabilidade individual, antes de ser responsabilizado o Estado ou governo.

“A prioridade deste governo em relação ao sector social nomeadamente a saúde que consta no eixo 4 do programa do governo Terra Ranka, que fala da valorização da capital social e da melhoria das condições e da qualidade de vida dos cidadãos, nomeadamente, através de uma melhoria de acesso a cuidado de saúde de qualidade”.

Magda garante que o que o governo se propõe a assegurar que “cada vez mais guineenses tenham acesso a mais serviços de melhor qualidade”.

“O que é que nos próximos tempos vocês vão ver uma qualidade que seja aquela que o povo guineense merece, que deseja e que tanto espera porque nós estamos a partir de muito baixo”.

A ministra disse ainda que o nível dos cuidados de saúde pública está “muito aquém daquilo que é desejável e recomendável. “Vamos precisar de bastante tempo para atingirmos o nível de qualidade de serviços que respeitem a dignidade de cada guineense, que nos façam sentir cidadãos de primeira categoria e que nos façam não ter medo de adoecer durante a noite, porque sabemos que vamos estar em boas mãos”, assegura Ministra.

O presidente de Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto Mário da Silva, disse esperar que as informações contidas neste relatório e as respectivas recomendações possam constituir mais na luta pela defesa da dignidade da pessoa humana e na promoção efectiva da qualidade de vida da nossa população.

“É o dever do Estado assegurar efectivamente o direito á saúde a todos os cidadãos como o corolário da própria garantia do direito à vida. A constituição da Guiné-Bissau garante o acesso universal e igualitário às acções e serviços de promoção, protecção e recuperação de saúde, contudo em termos práticos a situação de saúde guineense é deveras preocupantes”, lamenta.

O documento que espelha a realidade do sistema de saúde na Guiné-Bissau, dificuldades de acesso, qualidade, quantidade dos serviços, corrupção, quadro legal, entre outros, contem 107 páginas, foi produzido em 2018, com o propósito de melhorar o acesso a informação mais credível sobre o estado de acesso ao direito à saúde na Guiné-Bissau, reforçar o papel da LGDH e outros atores que intervêm nesse matéria nas suas acções de lobby e reforço dos direito humanos.

O documento também visa apoiar o governo e as instituições nacionais responsáveis pela promoção efectiva de acesso ao direito à saúde e contribuir para a adopção de estratégias profícuas com vista a melhoria da qualidade do sistema de saúde.

Por: Elisangila Raisa Silva dos Santos / Anézia Tavares Gomes/radiosolmansi com Conosaba do Porto

Imagem: Anézia Tavares Gomes

domingo, 21 de julho de 2019

«EMBAIXADA DA REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU EM CABO VERDE» ENCONTRO DA MINISTRA DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS COM A COMUNIDADE GUINEENSE EM CABO VERDE


A Sua Excelência Sra Ministra dos Negócios Estrangeiros e Comunidades da Guiné-Bissau, Dra Suzy Barbosa manteve um encontro ontem a tarde com a comunidade guineense, numa das salas do Liceu Domingos Ramos, cidade da Praia.



Logo à chegada a Sra Ministra, acompanhada de Sua Excelência Sr Embaixador Dr. Mbála Fernandes, foi recebida ao som da tina pelas mulheres do grupo cultural "Raiz de nha terra" que cantaram e dançaram para a Ministra.

No encontro de três horas, Sr. Fernando Idrissa Baldé, Presidente da Associação dos guineenses residentes em Cabo Verde, na sua intervenção, pediu um minuto de silêncio em memória do falecido professor de Matemática guineense do Liceu Domingos Ramos, Sr. Salvador Nancutcha. Após isso, destacou quatro pontos à Sra Ministra: a necessidade de uma cooperação bilateral com Cabo Verde, legalização e obtenção da documentação caboverdina, solicitação de parceria entre a segurança social guineense e caboverdiana, para efeitos de descontos e a recusa da entrada no aeroporto no aeroporto da Praia.

Em resposta às solicitações feitas, a Chefe da Diplomacia guineense explicou que tomou nota e vai abordar as inquietações da sua comunidade via Diplomática, revelando que já fez convite ao seu homólogo caboverdiano para visitar a Guiné-Bissau e este prometeu ir brevemente. Quanto aos cidadãos residentes nas outras Ilhas, a Ministra prometeu criar condições para a deslocação temporária de uma equipa para, efeitos da emissão dos documentos de identificação.

O Sr. Embaixador recordou que tem feito contactos via Diplomática e encontros com as altas entidades para juntos encontrarem soluções para o problema de legalização, mas considera que, este trabalho não é só do Governo da Guiné-Bissau, mas sim é de todos os guineenses. Ainda o Representante da Diplomacia guineense em Cabo Verde vai mais longe, chamando atenção aos presentes da necessidade de aproximarem-se da Embaixada, para terem mais informações, conhecerem os seus direitos, como também deveres, exemplificando que até o momento não se pode dizer com exactidão o número dos guineenses residentes em Cabo Verde, pois, nem todos estão inscritos na Embaixada.

A mesa estava composta pelos Srs. Dr. Idrissa Djolo, Presidente da Associação Bafata XXI e Secretário da mesa, De. Fernando Idriça Balde, Presidente da Associação dos guineenses residentes em Cabo Verde, Dr. José Augusto Fernandes, Director do Liceu Domingos Ramos, Dr. Mbála Fernandes, Embaixador da Guiné-Bissau em Cabo Verde e a Dra Suzy Barbosa, Ministra dos Negócios Estrangeiros e Comunidades.

A Embaixada agradece à todos aqueles que, de uma forma directa ou indirecta contribuíram para que a reunião corresse com sucesso, principalmente ao grupo cultural "Raíz de nha terra" e o Director do Liceu Domingos Ramos que atenderam as solicitações feitas em cima da hora, nosso muito obrigada.

























«ARTIGO DE OPINIÃO Nº 8 - 2019» "CUIDADO TEMOS QUATRO (4) COISAS NO MUNDO, QUANDO TIRAMOS NÃO VOLTA PARA ATRÁS E AINDA TEMOS OLHOS PARA VER E ORELHAS PARA OUVIR" - MALAM GOMES

As quatro coisas são – 1. Palavra, 2. Um tiro, 3. Ocasiões perdidas e 4. Tempo que deixamos passar sem aproveitar.

Temos seis (6) princípios de sucesso – 1. Confiança, 2. Objectivo claro, 3. Fazer os planos bem definidos, 4. Cumprir os compromissos e obrigações, 5. Não ter medo de fracasso, 6. Ter confiança em si mesmo 7. Comemorações e inaugurações.

Face decisiva de um ser humano é na infância, se falharmos aqui falham tudo.

UMA CRIANÇA SE NÃO TIVER BOA EDUCAÇÃO NÃO PODE SER BOM LÍDER. 
Acabou tempo de ajuda e chegou a ora da cooperação e a cooperação precisam de projetos de curto, médio e longo prazo, pessoas sérios de confiança em frente  dos financiamentos, mas não devemos esquecer que ninguém vai pôr o dinheiro no buraco sem fundo - Bom entendedor meia palavra basta.

 Todos os financiamentos baixou nos últimos anos e desigualdade aumentou em todo mundo – noventa e sete (97%) da riqueza mundial estão nas mãos de um terço da população e um por centos (1%) dos mais ricos detém quase metade da riqueza mundial – Fortunas ou riqueza mundial para maioria da população de (País, país).

População ou povo de cinco (5) países tranquilos – 1. Suíça, 2. Suécia, 3 Noruega, 4. Austrália, e 5. Luxemburgo - moinaria de povo desses países estão tranquilos (BEM).
Há pessoas que pensam que o ser humano, é o ser mais inteligente do mundo.
Enganam-se o ser mais ignorante e mais estupido que temos na nossa planeta é o ser humano, que alguns pensam são mais inteligente ou somos mais inteligentes.
Quais as pessoas ou personalidades que podemos eleger e entregar os lugares de destaque na sociedade, nos nossos países e no mundo – Pessoas com provas dadas, trabalhadores sérios, da confiança, cultos, solidários, que dizem a verdade, com bom leques de contatos (Eles e Elas).  São mais valiosos nos mercados e têm mais cotações nas – empresas, nas instituições público e privadas e no mundo estou falar de:
Bons pais, bons encarregados de educação, bons professores (as), bons políticos em todas as áreas (Social, partidárias e empresarial), bons líderes e bons Presidentes (Esses é que podem melhorar a nossa planeta).

ESSSES OS BONS É QUE DEVIAM OCUPAR LUGARES DE DESTAQUES E ESTAREM EM FRENTE DA SOCIEDADE, DO PAÍS E DO MUNDO.

Eles e Elas muitos sabem - Avaliar, medir as consequências, perdoar, falar, ouvir os outros, dar as segundas oportunidades, fazer pontes e diques.

Muitos são - de confiança, bons profissionais, bons trabalhadores, bons empreendedores, bons gestores, dialogantes, cultos, solidários, com bons leques de contos – Eles devem ser respeitados, ouvidos e apoiados para poderem fazer mais e melhor para bem da humanidade e do mundo.

 Não terem, marcarem, darem, serem e fazerem os possíveis

Explicações - Não ter as falhas e nem as faltas injustificadas, marcar sempre presenças, darem as suas contribuições segundo as suas possibilidades e disponibilidades, ser solidários com todos e fazer possível para que o melhor fosse feito para bem todos, dar mãozinhas para quem mais precisa, mas só se vai mudar alguma coisa na sua vida pessoal e familiar) - Também devem fazer o possível de conquistar corações das pessoas, principalmente dos militantes ou sócios, de todos os trabalhadores ou colaboradores, todos os clientes ou utentes, todos os simpatizantes e os parceiros.
Repito - Fazer o possível para que o melhor fosse feito para bem da humanidade e dizer sempre a verdade embora não há verdade absoluta no mundo de hoje, há sim possibilidade da realidade.

Que é que nós todos devemos fazer - (trabalhar, trabalhar e trabalhar e bem, sem apontar o dedo ou criticar o trabalho dos outros.

No nosso mundo de hoje, na minha opinião pessoal nada está bem e nem nada está mal – Sempre é preciso melhor o que está bem, para ficar melhor e corrigir o que está mal, sem apontar o dedo e nem fazer críticas injustas sem fundamentos e nem culpabilizar ninguém – Parto de princípio de que, quando as pessoas não entendem é porque as explicações não foram bem dadas e quem trabalha falha ou comete os erros, só não falham, não cometem os erros aqueles que não trabalham. 

Desistir não, desistir é o sinal de fraqueza – Fracos é que desistem.

MALAM GOMES CONTRIBUINTE LIMPO (CÁ E LÁ) – CIDADÃO DO MUNDO PRÓ – ATIVO, SEMPRE ATENTO E AMIGO DE TOOS.


Principais mercados de Bissau: VENDA DE PRODUTOS ALIMENTARES NO CHÃO E LIXO DEIXAM CÂMARA MUNICIPAL IMPOTENTE


[REPORTAGEM_julho_2019] A venda de produtos alimentares no chão e a falta de higiene que se registam nos principais mercados da capital deixam a Câmara Municipal de Bissau impotente na sua iniciativa de organização e de limpeza dos mercados. A vida dos utentes e dos cidadãos está em risco de contaminação por doenças. 

Por outro lado, a falta de higiene e a desorganização dos mercados continuam a preocupar os utentes dos mercados, em particular nos principais mercados visitados pela equipa de reportagem do semanário O Democrata, designadamente o mercado de Caracol (Bairro Bandim), a chamada Feira de Cacheu (Bairro Mindara) e o mercado do Bairro Militar, que manifestam-se preocupadas com a situação neste período das chuvas. 

De acordo com a constatação “in loco” feita pela nossa equipa de reportagem, na qual a questão do lixo bem como a falta de espaços para novos utentes continuam a ser o maior desafio da edilidade da capital, sobretudo no que concerne à limpeza dos mercados e à sua organização, proibindo a venda de produtos alimentares no chão.

O mercado de Caracol e de Cacheu (improvisado), as mais populares, também deparam-se com sérios problemas de higiene e de espaços adequados devido à situação geográfica dos mesmos. Aliás, os mesmos problemas são enfrentados pelos três principais mercados visitados, dado que estão no meio de habitações privadas, apesar de serem os mais frequentados.

CARACOL ENTRE A INICIATIVA DE BOAS PRÁTICAS DE LIMPEZA E A PERSISTÊNCIA DO LIXO 

Não obstante a deterioração que se verifica em algumas zonas dos mercados confrontados com falta de higiene e falta de espaço, os utentes improvisam a venda dos peixe, fruta e outros produtos hortícolas no chão, onde estendem plásticos ou panos (em tecido africano) no chão para neles exporem os seus produtos.

A nossa reportagem não ouviu nenhum “viva-alma” que se movimentam naqueles mercados reclamar que os produtos alimentares estavam expostos no chão. Compram-nos sem hesitação. 

Registaram-se algumas melhorias no mercado de Caracol em comparação com os anos anteriores, dado que os utentes em colaboração com funcionários de Câmara Municipal, removem o lixo todos os dias do interior do mercado. No fim de cada dia de trabalho lavam a zona pavimentada com produtos de limpeza enquanto outras zonas, fora do edifício do mercado, são deixadas abandonadas, sem cuidados nenhuns em termos de higiene. Muitas vezes são os próprios utentes quem limpa os lugares onde trabalham. 

As mulheres “bideiras”, que vendem fora do edifício principal devido a falta do espaço no interior, improvisam, com recurso a baldes com água ou outros materiais, para conservar os seus produtos e assim evitar expô-las no chão.

Mas nem todos os utentes têm esse cuidado. Por falta de espaço no interior do mercado, a maioria que vende fora usa plásticos ou panos estendidos no chão, onde expõem para venda dos seus produtos, sem se preocuparem com o risco de contaminação dos seus produtos. 

FORÇAS DE ORDEM GARANTEM SEGURANÇA DO MERCADO DE CARACOL E AOS UTENTES

Em termos de segurança, registaram-se melhorias significativas, de acordo com os utentes abordados pela nossa equipa de reportagem. O mercado conta com um corpo de elementos das forças de ordem pública colocados para garantir a segurança do mercado e dos utentes. As forças de ordem dispõem de uma esquadra situada a 100 metros do portão principal do mercado.

De acordo com os utentes, após a chegada das forças de segurança registou-se uma significativa redução de roubos, no período da noite, sobretudo os carteiristas que atuavam de dia, gatunos que perturbavam muito os cidadãos que circulavam no mercado. Os elementos da polícia circulam por todo o mercado durante o dia, alguns deles a paisana. Movimentam-se no interior e nos arredores, controlam o mercado a fim de garantir a segurança aos utentes e seus bens.

Os proprietários dos ’boutiques’ e armazéns do mercado contratam seguranças à empresas de segurança ou guardas particulares para cuidar dos seus armazéns no período da noite, dado que sentem-se mais confortáveis com os guardas privadas a noite, uma vez que as forças de ordem muitas vezes não conseguem garantir a total segurança do local.

No que diz respeito à água, Caracol dispõe de água canalizada junto às casas de banho. Estas têm condições básicas de funcionamento e é exigida uma taxa de 25 francos cfa para urinar, 100 francos cfa para um uso mais “pesado”.

A responsável das mulheres vendedeiras do mercado de Caracol, Glόria Có, explicou na entrevista que a Câmara Municipal de Bissau conseguiu cumprir com parte da promessa feita de manter o edifício principal do mercado limpo. Contudo diz que falta a construção de balcões que também é uma das promessas feitas pelos responsáveis da edilidade, cujo objetivo é acabar com a venda de produtos alimentares no chão.

“Os agentes da Câmara, no final da tarde, fazem toda a limpeza, recolhem o lixo e lavam o recinto e os pavimentados. Essa iniciativa assumida pela Câmara ajuda muito a deixar o interior do mercado limpo e acaba com o mau cheiro”, contou para de seguida assegurar que nenhuma vendedeira deseja colocar os seus produtos no chão, sobretudo nesta época da chuva. Mas lamenta a falta de espaço adequado. Segundo a sua explanação, isso leva os utentes a vender os produtos no chão, com os riscos de contrair doenças infecciosas.

MERCADO IMPROVISADO DE CACHEU – UMA AMEAÇA À SÁUDE DE UTENTES E CONSUMIDORES
O mercado improvisado de Cacheu que se encontra no meio de habitações no bairro de Mindara é confrontado também com sérios problemas de higiene e de superlotação devido a falta do espaço, mas é um dos mercados mais procurados da capital para a venda de produtos hortícolas e peixe seco trazido da região de Cacheu.

A famosa feira de Cacheu ocupa uma rua estreita entre a antiga discoteca “Cabana” e o interior do bairro. Algumas vendedeiras ocupam outras ruas próximas, até a beira da estrada, com os seus produtos expostos no chão. 

As vendedeiras ocupam casas particulares para colocar os seus produtos. Perante essa situação, são obrigadas a pagar o espaço ocupado do particular bem como a pagar a Câmara Municipal pela ocupação. A movimentação das pessoas naquele mercado leva as vendedeiras a ocupar até as bermas da estrada, o que torna muito difícil trânsito de carros e de pedestres. 

Segundo Célia Yalá, uma moradora de Belém e utente daquele mercado improvisado, a localização geográfica do mercado não é nada boa porque interfere e dificulta o trânsito e cria aglomeração de pessoas na estrada. 

“O mercado é muito apertado, sujo e com mau cheiro! Recorremos ao mesmo porque não temos alternativa. Vimos algumas vendedeiras a terem cuidado com os seus produtos, por isso usam objetos altos para colocar os produtos, mas nem todas tomam esses cuidados. Vimos todos os dias produtos expostos no chão junto ao lixo”, explicou.

VENDEDORES RESPONSABILISAM A CÂMARA MUNICIPAL PELA FALTA DE CONDIÇÕES DE HIGIENE 

A localização do mercado não a permitiu ter casa de banho própria que estaria disponível para os utentes. Por isso, os utentes são obrigados a recorrer às casas de banho dos moradores, onde são obrigados a pagar 50 francos cfa para urinar e 100 francos para o outro “serviço”.

O mercado não dispõe de uma equipa encarregue da limpeza ou da remoção do lixo, pelo que são os utentes que acabam por fazer o serviço ou cada um procura limpar apenas o seu espaço. 

A vendedora da peixe, Celeste Té, disse a repórter que pagam diariamente aos proprietários do terreno 300 francos cfa e à Câmara Municipal de Bissau 150 francos pela ocupação do espaço, mas lamenta o facto de serem eles mesmos a ocupar-se da limpeza do mercado e da remoção do lixo.

“Para além do espaço que pagamos duas vezes diariamente, ao proprietário e à Câmara Municipal, pagamos mais 100 francos aos jovens dos carrinhos de mão para remover o lixo retirado dos nossos espaços para um local onde há contentores de lixo. A câmara não fez nada aqui, para além de cobrar dinheiro aos utentes, por isso responsabilizamo-la pela situação da degradação em que se encontra este mercado. Se estivermos no espaço de particulares, que a câmara deixe de cobrar-nos o espaço, deixando apenas os proprietários cobrar”, lamentou para de seguida avançar que todos os dias recebem críticas de consumidores que circulam pelo mercado sobre a falta de higiene e relativas aos produtos expostos no chão.

Lembrou ainda que a Câmara, no passado, queria retirar-lhes daquele lugar, transferindo toda a gente para o mercado de Bandim, mas o mercado de Bandim estava totalmente lotado por comerciantes estrangeiros, razão pela qual não conseguiram mudar – se para aquele mercado, resolveram ficar.

“Outra razão para não estarmos no mercado de Badim tem a ver com a clientela. Se conseguir espaço e a maioria das colegas não conseguir, poderá ficar vítima e não ter muitos clientes no mercado de Bandim, sobretudo a procura de produtos hortícolas e de peixe seco. A maioria que ficar terá o domínio do mercado. É verdade que a situação deste mercado é precária, mas conseguimos vender e muito os nossos produtos e os clientes estão habituados ao espaço”, contou.

Lamentou ainda que atualmente o negócio esteja difícil devido à atual situação financeira do país, o que acaba por criar a subida de preços dos produtos. Informou, por exemplo, que compram o famoso peixe “Bica” junto dos pescadores no valor de 3500 (três mil e quinhentos) F.CFA por quilograma e outros peixes primeira a 2500 (dois mil e quinhentos) junto dos pescadores.

“Nós somos obrigados a aumentar um pouco, acima do valor de compra para podermos ganhar alguma coisa, tendo em conta os gastos que fizemos”, disse.

Um dos vendedores de panos de “Pinte” no mercado de Cacheu, Papis Ié, contou que pagam aos proprietários dos terrenos 5000 francos cfa mensais pela ocupação do espaço, enquanto pagam à Câmara Municipal 150 francos diários e 3000 francos mensais aos proprietários de armazéns onde guardam os materiais e os seus panos. 

“O mercado não tem nenhumas condições para funcionar corretamente, mas não temos alternativa, por isso decidimos ficar aqui para trabalhar e conseguir o nosso ganha-pão do dia-a-dia. Comecei a vender aqui no ano passado depois de as mulheres abandonarem este espaço que estou a ocupar. Vendo panos tradicionais que custam entre 12 a 18 mil francos cfa, muito procurados para as cerimónias tradicionais”, notou.

MERCADO DO BAIRRO MILITAR – UM DOS MAIS PROCURADOS DA CAPITAL E MAIS VULNERÁVEL
O mercado do Bairro Militar, considerado o terceiro mais popular da Capital, é tido igualmente como um dos mercados mais vulneráveis devido à aglomeração dos utentes, o que dificulta a sua limpeza.

Contudo, é o mercado com mais organização em relação aos dois outros, nomeadamente o mercado do Caracol e o de Cacheu. A nossa repórter constatou que a maioria dos produtos vendidos são colocados em cima de balcões ou mesas construídas a madeira, evitando assim o contato direto com lamas e águas sujas nesta época da chuva. No entanto, nota-se ainda um pequeno número de mulheres que vedem cebolas, foles e outros produtos expostos no chão. 

O mercado dispõe de casa de banhos para homens e para mulheres, situada a menos de 100 metros do sítio onde as mulheres preparam comidas (Tchep, Caldos e pratos tradicionais guineenses) e de outro local onde se deita lixo, o que constituiu perigo a saúde dos utentes e dos consumidores. 

De acordo com informações recolhidas no terreno, a esquadra da polícia do bairro militar envia sempre alguns agentes para manter a segurança, que sofria roubos constantes e ataque de carteiristas e de gatunos. A semelhança de outros mercados visitados, os utentes contrataram guardas para o período da noite. 

O Secretário-geral de associação dos utentes do mercado do Bairro Militar (AUMEB), Mamade Darame, disse que a situação tem vindo a melhorar aos poucos, graças à intervenção da sua organização, que trabalha para a melhoria das condições sanitárias do mercado e a instalação de uma política de boas maneiras. 

Mostrou-se preocupado com a situação do lixo e de venda ilegal de medicamentos, que segundo a sua explicação, a sua organização não tem competências para exigir dos utentes cuidados na vendas dos produtos bem como dos moradores a não deitarem o lixo no mercado, mas acredita que as autoridades competentes farão esforços para pôr fim a tais práticas que põem em risco a saúde pública. 

Explicou que, apesar de a Câmara retirar com regularidade o lixo, vê-se o acumular dos lixos no mercado devido ao número de utentes. Também alguns moradores dos arredores do mercado aproveitam e deitam o seu lixo junto ao mercado para que, quando a câmara passar, o possa recolher. 

Contou que diariamente pagam 150 francos à Câmara Municipal e que são eles (os vendedores/proprietários de cacifos) que assumem as despesas com os guardas noturnos. As três casas de banho foram reabilitadas com esforços da associação mas que segundo ele são insuficientes aos seus utentes. 





Por: Epifânea Mendonça

Foto: Marcelo Na Ritche

Conosaba/Odemocrata

sábado, 20 de julho de 2019

«PRS» DR. CERTÓRIO BIOTE, VICE-PRESIDENTE DO PARTIDO, NOMEADO POR DELEGAÇÃO DE EXERCÍCIO DAS FUNÇÕES DE PRESIDENTE DO PRS


«PRESIDENCIAIS 2019» NÚCLEO DE APOIO REAFIRMA QUE CIPRIANO CASSAMÁ TEM APOIO DA ACTUAL DIREÇÃO DO PAIGC

Bissau, 19 jul 19 (ANG) – O porta-voz do Núcleo de Apoio à candidatura de Cipriano Cassamá às primárias do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) para a escolha de um candidato para às eleições presidenciais de 24 de Novembro, afirmou que o líder do parlamento guineense conta com apoio da actual direcção dos libertadores para esse desiderato.

Em conferência de imprensa realizada esta sexta-feira, Abubacar Sanha disse que o actual presidente da Assembleia Nacional Popular Cipriano Cassamá durante 5 anos defendeu a nação e partido de “unhas e dentes” e que perante a crise política constitucional fez tudo em defesa do PAIGC.

Aquele responsável contrariou a posição dos seus colegas de Cabo Verde que antecipadamente sem ouvir a direção do partido, começaram a fazer recolhas de assinaturas para que o Presidente do PAIGC Domingos Simões Pereira avançasse como o candidato do partido às presidenciais de Novembro, acrescentando que nesse momento a única pessoa que tem o dossier de candidatura oficial depositado no partido é o Cipriano Cassamá. 

“Temos a garantia de que Cipriano Cassamá vai ganhar as primárias e a direção do partido vai lhe dar todo o apoio para concorrer às eleições presidenciais”, revelou.

Informou que o Núcleo já recolheu quatro mil assinaturas em Bissau, desde o momento que o Cipriano Cassamá mostrou a sua intenção de concorrer às primárias no PAIGC, acrescentando que vão continuar os trabalhos de recolhas de asinaturas igualmente no interior do país. 

Conosaba/ANG/DMG/ÂC

SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA ADMITE EXISTÊNCIA DE CONDIÇÕES LABORAIS PRECÁRIA DOS PARAMILITARES


O Secretário de Estado de Segurança e Ordem Pública considera de precária as condições laborais das forças paramilitares do país.

Mário Saiegh falava esta sexta-feira (19/7) depois da visita conjunta com o ministro do Interior as instalações do Comissariado da Polícia da Ordem Publica, da Intervenção Rápida e algumas esquadras da capital Bissau.

Segundo Saiegh, esta precariedade laboral das forças policiais tem a ver com a desorganização interna existente anteriormente no próprio ministério.

“É um pouco difícil ver o que constatamos. Os agentes não têm condições que é extremamente precária, mas eles estão a fazer na medida de possível em cumprimento das suas obrigações. É verdade que temos que admitir que talvez toda esta situação da precariedade é o fruto de um pouco da desorganização existente anteriormente no ministério”, afirma o Secretário de estado.,

Saiegh admitiu ainda que o actual executivo pretende reorganizar o ministério dentro do limite, por isso, solicita a colaboração da população.

“Esta nomeação do Ministro e o Secretário do estado é uma atenção especial que o governo dá a este sector, por isso, vamos tentar reorganizar esta casa dentro do limite da lei, nada podemos permitir com excesso, tanto por parte da população assim como da força de segurança. Portanto é bom que haja a colaboração também por parte da população para que alguns tempos, que a própria população possa ver as forças policiais como um colaborador, não como as forças repressivas apenas”, prometeu 

Na quarta-feira última, o ministro do Interior visitou diferentes departamentos que compõem a instalação do próprio ministério para constatar e avaliar as informações formais que já recebeu por parte dos responsáveis.

Por: Braima Sigá/radiosolmansi com Conosaba do Porto

“MINISTÉRIO PÚBLICO É UMA ENTIDADE MUITO IMPORTANTE NO CAMBATE À CORRUPÇÃO”, diz Ladislau Embassa

O Procurador-geral de República afirmou que o Ministério Público “é uma entidade muito importante no combate à corrupção e por essa razão deve estar dotados de meios operacionais”.

Ladislau Embassa que falava esta sexta-feira (19/7) no acto de entrega dos materiais informáticos oferecidos pela embaixada de China aos diferentes departamentos da sua instituição, diz ainda que o governo deve criar condições necessárias para o razoável funcionamento do ministério público.

O Ministério Público é uma entidade muito importante no combate à corrupção e por essa razão deve estar dotado de meios que lhe permita ter a capacidade operacional necessária para poder desenvolver o seu trabalho o que neste momento não existe, falta quase tudo e penso que essa situação não pode continuar e cabe ao governo criar as condições necessárias para o razoável funcionamento da instituição”, diz para depois avançar que “ sem esses meios, o ministério público, acabará por colocar-se numa situação como um soldado que vai ao campo de batalha sem arma”.
Por seu lado, o coordenador do gabinete de auditoria do Ministério Público Lassana Dafé concordou que os materiais recebidos irão permitir o aumento do nível de trabalho “ porque realmente o Ministério Público tem tido dificuldades em termos de materiais informáticos”.

De referir que o ministério publico beneficiou de 20 computadores, 9 impressoras e uma fotocopiadora.

Por: Nautaran Marcos Có/radiosolmansi com Conosaba do Porto

FOI FEITA O LANÇAMENTO DA PRIMEIRA PEDRA DO PARQUE ARTESANAL, PROJETO DA SECRETARIA DE ESTADO DO TURISMO E ARTESANATO.


O DISCURSO DA SECRETÁRIA DE ESTADO

"É com regozijo especial que quero desejar a todos os ilustres convidados e participantes que vieram testemunhar, pela sua vontade e convicção da sua importância a inauguração solene de uma cerimónia singela mas simbólica e fundadora da criação deste espaço urbano de projecçao e qualidade e da originalidade dos produtos do artesanato da Guiné-Bissau.

Quero expressar as minhas mais sinceras palavras de agradecimento pelo calor humano aqui demonstrado pelos nossos dignissimos convidados e pelo interesse inequívoco que souberam manisfestar em prol da qualificação e certificação da actividade artesanal, da sua divulgação e promoção em prol do desenvolvimento económico e do progresso social relativo a situação jurídico laboral dos artesãos nacionais da sua árdua, engenhosa e nobre profissão.

Minhas Senhoras e meus senhores

O Patrimônio cultural da Guiné-Bissau requer uma valorização e requalificação ambiciosa de modo a transformá-lo num produto de grande potencial com interesse para o desenvolvimento da actividade turística com o objectivo de fomentar a geração de receiras decorrentes desta actividade, visto que o sector do Turismo pode ser catalisador de uma importante fonte de crescimento económico, de criação de emprego e de redução da pobreza, pela transversalidade das suas valências no que a promoção e valorização de outras actividades conexas diz respeito.

Entretanto, ao Governo cabe, através da acção da Secretaria de Estado do Turismo e Artesanato e por intermedio da minha determinação, assumir a responsabilidade política de criar e garantir condições conducentes a ultrapassar alguns obstáculos fundamentais ao desenvolvimento sustentável do Artesanato enquanto produto turístico e privilegiado na estratégia de reforço do turismo de índole cultural com base na grande atractividade turística das actividades e exposições artesanais no espaço urbano.

Esta visão requer uma acção concertada e planificacda dos diferentes órgãos responsáveis pelos sectores do turismo e do aratesanato, com base em princípios e objectivos definidos no quadro de um plano estratégico nacional de desenvolvimento do Turismo.

A estratégia do Governo para a implementação do referido plano deverá eleger modelos de parceria público privado como solução adequada a equação da problemática de financiamento dos projectos turísticos, que permitirá aos promotores privados nacionais ou estrageiros trabanhar em consonância com o governo na concepção e na execução dos futuros projetos turísticos, tendo em conta a necessidade de preservação e de convergência dos interesses públicos e privados envolvidos.

Os Futuros Investimentos públicos ou privados e acções que favoreçam o desenvolvimento de actividades artesanais com interesse para o sector do Turismo deverão visar prioritariamente na criação de emprego principalmente a favor das mulheres e juvens artesãos nas comunidades locais, a formação de recursos humanos necessários a garantia de qualidade dos serviços prestados, a construção e melhoramento de infra-estruturas básicas para o estabelecimento recomendável de organizações artesanais por forma a contribuir para a promoção da economia do artesanato no plano municipal, através da criação de soluções para a estratégia nacional de desenvolvimento qualitativo e sustentável do turismo na Guine-Bissau.

Para esse efeito, a comunidade dos actores envolvidos no processo de desenvolvimento turístico na Guiné-Bissau deve trabalhar em estreita colaboração no sentido de ajudar a reforçar os pilares da estratégia nacional de desenvolvimento de actividades artesanais, bem como assegurar a sua responsabilidade económica e ambiental.
Do ponto de vista legal, o Governo não poupara esforços no sentido de conceder os apoios jurídicos necessários a atracção e acolhimento de projectos de investimento e da criatividade no sector do artesanato de maneira transparente.

Com efeito, gostaria de endereçar as minhas mais sinceras palavras de agradecimento a Assembleia Nacional Popular, através da atenção e amabilidade do seu presedente, Sua Excelencia Engenheiro Cipriano Cassama pela horosa cooperação institucional prestada com vista a concretização deste projeto inédito, bem assim a Câmara Municipal de Bissau e especialmente ao seu presidente cessante, Sua Excelencia Dr. Luis de Melo, pelo apoio concedido na desponibilização do espaço, e que não soube poupar os seus enérgicos esforços em prol da facilitação deste nobre Projeto.

Muito Obrigada pela Vossa presença e pela Vossa Preciosa atenção."


Conosaba/faladepapagaio